Services

0
Papa Franciso acena neste domingo (25) da varanda da Basílica de Saõ Pedro, no Vaticano (Foto: REUTERS/Alessandro Bianchi)
Em sua tradicional mensagem de Natal, o Papa Francisco evocou a paz a todos que perderam seres queridos em "atos de terrorismo que espalharam medo e morte no coração de tantos países e cidades". O Papa falou na varanda da Basílica de São Pedro, no Vaticano.

De acordo com a agência France Presse, dezenas de milhares de fiéis deveriam ouvir ao meio-dia a mensagem de Natal "Urbi et Orbi" ("À cidade e ao mundo").

O Papa citou a guerra na Síria, o conflito no Oriente Médio e a situação em países latino-americanos ao evocar a paz.

Sobre a Síria, disse que é hora de que "as armas se calem definitivamente. "É hora de que as armas sa calem definitivamente e a comunidade internacional se comprometa ativamente para que se consiga uma solução negociável", declarou.

Neste país, onde o regime sírio apoiado pela Rússia acaba de recuperar o controle de Aleppo, "muito sangue foi derramado", ressaltou o pontífice a respeito do conflito que já dura cinco anos. "Sobretudo na cidade de Aleppo, palco nas últimas semanas de uma das batalhas mais atrozes, é mais do que nunca urgente que a ajuda e reconforto sejam garantidas à população civil, no fim de suas forças, em respeito ao direito humanitário", afirmou.

Em relação ao conflito entre israelenses e palestinos, o Papa afirmou que os dois lados devem "escrever uma nova página da história".

"Paz para as mulheres e homens da amada Terra Santa, eleita e favorecida por Deus. Que os israelenses e os palestinos tenham coragem e determinação para escrever uma nova página da história, em que o ódio e a vingança cedam lugar à vontade de construir conjuntamente um futuro de recíproca compensação e harmonia", afirmou.

O soberano pontífice também pediu uma "paz restaurada" no Iraque, Líbia e Iêmen, "onde as pessoas sofrem com a guerra e atos terroristas atrozes".

O Papa, que acaba de completar 80 anos, também mencionou a situação na Venezuela e na Colômbia. Francisco pediu "harmonia" ao "querido povo colombiano", imerso em um processo de paz para pôr fim ao conflito entre o governo e as Farc de mais de 50 anos.

"Pedimos harmonia para o querido povo colombiano, que deseja cumprir o novo e corajoso caminho de diálogo e reconciliação", disse.

Também exortou que "a coragem anime (...) a amada Venezuela para dar os passos necessários com vistas a pôr fim às tensões atuais e edificar conjuntamente um futuro de esperança para toda a população". A Venezuela passa por uma profunda crise política e econômica.

Medo
Após o ataque terrorista a um mercado de Natal em Berlim, que deixou 12 mortos na segunda-feira à noite e que foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), o medo de outros ataques marca as festividades deste ano.

Moradores e turistas em Berlim acendem velas e depositam flores no local do ataque. Em Milão, onde o autor do ataque foi morto na sexta-feira durante um controle de identidade, a polícia ocupa a praça que abriga um pequeno mercado de Natal, cujo acesso está sendo protegido por blocos de concreto desde o ataque de Berlim.

Materialismo
Na noite de sábado, em sua homilia da noite de Natal, o Papa Francisco criticou o materialismo daqueles que festejam o Natal pensando apenas nos presentes e chamou a todos a ter compaixão pelas crianças abandonadas. Esta cerimônia, na Basílica de São Pedro, foi realizada em meio a fortes, mas discretas, medidas de segurança.

Em Belém, lugar onde, segundo a tradição cristã, nasceu Jesus Cristo, cerca de 2.500 fiéis palestinos e estrangeiros lotaram a Basílica da Natividade para a missa do Galo à meia-noite. O presidente Mahmud Abbas e outros dignitários palestinos estavam presentes.

No norte de Israel, mais de 25.000 pessoas participaram nas celebrações de Natal em Nazaré, cidade onde Jesus passou sua infância.



FONTE - G1

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário. Não publicamos neste blog comentários com palavras de baixo calão, denúncias levianas e troca de ofensas entre leitores.